The online social support network in the experience of the person with cancer disease

Autores:

Catarina Conde; Katiusca Vieira; Márcia Ribeiro; Carla Piscarreta Damásio ON 2018, 37; Novembro 2018; On-line publication: Novembro 2018

Resumo: As doenças crónicas têm uma incidência cada vez maior e receber o diagnóstico de doença oncológica é quase sempre inesperado, sendo experienciadas transformações e adaptações físicas, psicológicas e emocionais. As redes de suporte social online têm uma grande influência nos comportamentos destas pessoas na situação de doença pelas interações que se estabelecem.
O papel do enfermeiro, ao conviver mais tempo com pessoas com doença oncológica, torna-se de grande importância pela relação de empatia, respeito e confiança, fundamental para que a pessoa enfrente esta doença.

O objetivo geral do estudo é descrever a importância do uso de uma rede de suporte online na transição de saúde-doença na pessoa com doença oncológica. Especificamente pretendeu-se determinar quais as redes de suporte online a que estas pessoas recorrem; Identificar o(s) motivos pelos quais estas pessoas recorrem a uma rede de suporte online; descrever os benefícios do recurso à rede de suporte social online na sua vida; descrever as mudanças sentidas decorrentes do recurso à rede de suporte social online; determinar o intervalo de tempo diário despendido no recurso às redes de su-porte social online.

Foi realizado um estudo de natureza qualitativa, do tipo fenomenológico, tendo sido a entrevista semiestruturada o instrumento de colheita de dados numa amostragem não probabilística acidental. O tratamento de dados foi realizado com recurso à análise de conteúdo, composta por três fases: pré-análise, exploração do material e tratamento dos resultados, inferências e interpretação. Para os participantes, a utilização de redes de suporte social online não se torna uma fonte primária, à qual a pessoa com doença oncológica mais recorre. Para enfrentar as vivências decorrentes da doença oncológica, a pessoa dá preferência à rede de suporte social física, onde se inclui a família e amigos. Apesar disso, as redes de suporte social online também produzem vantagens para a pessoa e familiares, nomeadamente, na pesquisa de informações e ao se tornarem uma fuga temporária aos problemas que enfrentam.

Palavras – chave: Doença Oncológica; Transições; Internet; Suporte Social

Verifique o abstract completo aqui.

Link DOI

 

Obtenha este artigo

Para obter este artigo terá que ser membro AEOP. Se já é membro AEOP efetue aqui o seu login. Se ainda não é membro AEOP registe-se aqui.
Em alternativa, pode adquirir este artigo pelo preço de 5EUR utilizando para isso o nosso formulário de contacto.

 

Referências
  1. Costa, L. (2004) O cancro também pode morrer. Porto: Ambar.
  2. Liga Portuguesa Contra o Cancro (2009) Aspetos psicológicos sobre o cancro. Liga Portuguesa Contra o Cancro Web site. Acedido a 17 de novembro de 2015 em http://www.ligacontracancro.pt/gca/index.php?id=60
  3. Alligood, M. R., & Tomey, A. M. (2006) Nursing theorists and their work (pp. 416- 433). 6ª Edição. Philadelphia: Mosby Elsevier.
  4. Barroso, S. (2007) A pessoa com cancro. Coleção “Conhecer para vencer”. Vol. 2. Lisboa: Sociedade Portuguesa de Oncologia.
  5. Leykin, Y., Thekdi, S. M., Shumay, D. M., Muñoz, R. F., Riba, M. & Dunn, L. B. (2012) Internet Interventions for Improving Psychological Well-Being in Psycho-Oncology: Review and Recommendations. Psychooncology. 2012 September; 21(9): 1016–1025.
  6. Zagonel, I. P. S. (1999) O Cuidado Humano Transicional na Trajetória de Enfermagem. Revista latino-americana de Enfermagem, 25-32.
  7. Bouma, G., Admiraal, J. M., Vries, E. G. E., Schröder, C. P., Walenkamp A. M. E. & Reyners A. K. L. (2015) Internet based support programs to alleviate psychosocial and physical symptoms in cancer patients: A literature analysis. Critical Reviews in Oncology/Hematology 95 (2015) 26–37.
  8. Baltazar, C. O. (2014) Utilização do Facebook como plataforma de partilha da experiência oncológica em jovens adultos. Tese de Mestrado em Comunicação, Cultura e Tecnologias da Informação. ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, Lisboa.
  9. Damásio, C. Nunes, L. & Sobral, J. M. (2014) A Análise de Redes Sociais no estudo do processo da construção da ajuda mútua da pessoa com doença oncológica com blogue. REDES- Revista hispana para el análisis de redes socialesVol.25, n. º1, Junio 2014, p. 153-189.
  10. Veneroni, L., Ferrari, A., Massimino, M. & Clerici, C. A. (2015) Facebook in oncologia. Revisionedellaletteratura.RecentiProgressi in Medicina 2015; 106: 46-51.
  11. Viana, A. & Barbosa, A. (2010) Avaliação da esperança em cuidados Paliativos. International Journal of Developmental and Educational Psychology, pp. 607-616.
  12. Yli-Uotila, T., Rantanen, A. & Suominen, T. (2013) Motives of cancer patients for using the internet to seek social support. European Journal of Cancer Care 22, 261–271
  13. Pinquart, M. e Duberstein, R. D. (2010). Associations of social networks with cancer mortality: A meta-analysis. Critical Reviews in Oncology/Hematology 75 (2010) 122–137.
  14. Rodrigues, J. S. M. e Ferreira, N. M. L. A. (2010) Estrutura e funcionalidade da rede de apoio social do adulto com câncer. Acta Paulista de Enfermagem vol.25 no.5 São Paulo.
  15. Girault, A., Ferrua, M., Lalloué, B., Sicotte, C., Fourcade, A., Yatim, F., Hébert, G., Palma, M. D. & Minvielle, E. (2015) Internet-based technologies to improve cancer care coordination: Current use and attitudes among cancer patients. European Journal of Cancer 51, 551–557
  16. Santos, G. S., Tavares, C. M. M., Ferreira, R. E. & Pereira, C. S. F. (2015) Rede social e virtual de apoio ao adolescente que convive com doença crónica: uma revisão integrativa. Chía, Colombia, Año 15, Vol. 15, n.º1 (l), 60-74.
  17. Kolankiewicz, A. C. B., Souza, M. M., Magnago, T. S. B. S. & Domenico, E. B. L. (2014) suporte social percebido por pacientes com câncer e sua relação com características sociais e demográficas. Revista Gaúcha de Enfermagem vol.35 no.1 Porto Alegre.
  18. Manzini, E. (2004) Entrevista semiestruturada: análise de objetivos e de roteiros. Programa de Pós Graduação: Brasil.
  19. Bardin, L. (1977) Análise de Conteúdo. Lisboa: Edições 70.
  20. Gonçalves, A. P. (2008) Rede Social na UM: Um Estudo de Caso. Análise e estratégias de utilização de Portais Situados na dinamização da Rede Social – Flickr. Guimarães: Universidade do Minho.
  21. Cardoso, G., Luengo, A., Trancas, B., Vieira, C., & Reis, D. (s.d.) Aspectos Psicológicos do Doente Oncológico. Revista do Serviço de Psiquiatria do Hospital Prof. Doutor Fernando Fonseca, EPE.
  22. Xu,Y., Testerman, L. S., Owen, J. E., Bantum, E. O., Thornton, A. A. & Stanton, A. L. (2013). Modeling intention to participate in face-to-face and online lung cancer support groups. Psycho-Oncology 23: 555–561.
  23. Esteves, A. P. (março de 2013) Vivências da Pessoa com Doença Oncológica Avançada Progressiva. Coimbra: Escola Superior de Enfermagem de Coimbra.
  24. Santos, C. S. (2003) Representação Cognitiva e Emocional, Estratégias de Coping e Qualidade de Vida de Vida no Doente Oncológico e Família. Porto: Universidade do Porto.