Autores:

Ana Cristina Nunes; Cláudia Pinhão; Tânia Barreiros; Elsa Wong       ON 2008, 6; novembro 2008; On-line publication: novembro 2008

A sexualidade do doente submetido a transplantação de progenitores hematopoiéticos tem-se revelado um tema que suscita dúvidas no doente, identificadas pelos profissionais de saúde, aquando da respetiva alta clínica. O desconhecimento das especificidades e relutância respeitante à abordagem desta vertente indicam um ensino e aconselhamento deficientes.

No sentido de objetivar uma atuação eficaz em relação ao problema identificado, realizou-se um estudo exploratório, de carácter qualitativo, inquirindo os enfermeiros relativamente aos comportamentos, atitudes e crenças na prestação de cuidados, no que respeita à sexualidade do doente transplantado. Verificou-se que 38% dos enfermeiros abordaram as questões da sexualidade a menos de 20% dos doentes a quem prestaram cuidados nos últimos seis meses; 52% dos inquiridos referem o “pouco conhecimento” nesta temática como motivo de desconforto na sua abordagem, desconforto esse que é causado também por considerarem o tema e abordar como fonte de stress. Identificadas as necessidades, delineou-se um plano de formação em serviço de forma a colmatar as lacunas existentes.

 

Palavras-chave: transplante de células hematopoiéticas, sexualidade, ensino /aconselhamento

Verifique o abstract completo aqui.

 

Obtenha este artigo

Para obter este artigo terá que ser membro AEOP. Se já é membro AEOP efetue aqui o seu login. Se ainda não é membro AEOP registe-se aqui.
Em alternativa, pode adquirir este artigo pelo preço de 5EUR utilizando para isso o nosso formulário de contacto.