Autores:

Ana Paguia; Tânia Saraiva; Duarte Costa   ON 2017, 34 ; maio 2017; On-line publication: maio 2017

Resumo: um dos problemas centrais do sistema de saúde é o abandono ou o incumprimento dos tratamentos prescritos pelos profissionais de saúde, sendo esta uma das causas principais de insucesso terapêutico. Neste sentido, a equipa de enfermagem do Serviço de Oncologia implementou a consulta de enfermagem de controlo sintomático não presencial, 48h após a 1.ª consulta de enfermagem ao doente que inicia Quimioterapia e 48h após consulta de enfermagem não programada.

Objetivos: Monitorizar e controlar precocemente os efeitos secundários; promover a adesão ao regime medicamentoso e contribuir para a melhoria do acesso aos cuidados de saúde. De forma a ser possível mensurar os resultados obtidos nesta consulta, elaborou-se o projeto “A consulta de Enfermagem não presencial – Uma estratégia para a adesão ao regime medicamentoso”, que permitiu a sistematização da avaliação dos efeitos secundários e da adesão ao regime medicamentoso, bem como a validação do ensino. Decorreu de novembro de 2015 até fevereiro de 2016.

Operacionalização: Escala MaT, elaboração de instrumento de registo e cheklist de validação do ensino realizado na consulta de enfermagem presencial.

Resultados: nível de adesão elevado (média 5,6) nos doentes que iniciaram tratamento, com a aplicação da escala MaT. Sintomatologia descontrolada 48h após 1.º tratamento de Quimioterapia em 74% dos 186 doentes avaliados.

Conclusão: a monitorização sistemática dos efeitos secundários e a validação do ensino permite estabelecer intervenções de enfermagem mais eficazes e personalizadas, traduzindo-se numa me-lhor adesão, contribuindo para a melhoria da qualidade e da visibilidade dos cuidados.
Neste sentido, considerando a percentagem de doentes com sintomatologia descontrolada e que, de acordo com a literatura, poderá ser um motivo para diminuição da adesão ao regime medicamentoso, esta consulta apresenta vantagens pela sua rapidez de resposta e acompanhamento do doente, o que permite um melhor planeamento das intervenções de enfermagem, promovendo assim uma modificação positiva no comportamento de adesão.

Palavras-chave: Consulta de enfermagem; Controlo sintomático; adesão; Regime medicamentoso

 

Verifique o abstract completo aqui.

 

Obtenha este artigo

Para obter este artigo terá que ser membro AEOP. Se já é membro AEOP efetue aqui o seu login. Se ainda não é membro AEOP registe-se aqui.
Em alternativa, pode adquirir este artigo pelo preço de 5EUR utilizando para isso o nosso formulário de contacto.