Autores:

Daniela Dias; Juliana Santos; Carina Raposo; Luís Batalha; Ana Leonor Ribeiro; Ana Cristina Ferreira  ON 2017, 35 ; novembro 2017; On-line publication: novembro 2017

Resumo: Os opióides são o gold-standard para o tratamento da dor oncológica, mas alguns dos seus efeitos adversos podem comprometer o seu potencial terapêutico, como é o caso da obstipação. Esta alteração do padrão de eliminação caracteriza-se por uma redução dos movimentos intestinais, aumento do esforço nos movimentos intestinais, sensação de evacuação retal incompleta ou consistência dura das fezes. A sua prevenção e tratamento requerem uma rigorosa avaliação dos doentes em risco e um completo entendimento da sua etiologia.

Esta avaliação carece de uma colheita de dados sobre a história clínica do doente, com foco no nível de atividade física, hábitos alimentares, capacidade de mastigação e deglutição, problemas médicos subjacentes e mudanças nos hábitos intestinais e características das fezes. Requer igualmente um exame físico da cavidade oral, região abdominal e anorretal.

Perante um quadro de obstipação induzida pelos opióides (OIO), são implementadas medidas de âmbito farmacológico (com efeito laxante, e/ou inibidores dos recetores opióides intestinais, sem perda de eficácia analgésica, e rotação de opióides) e não farmacológico, como medidas de higiene alimentar, educação intestinal e massagem abdominal.

Neste artigo pretende-se fazer um enquadramento teórico sobre a OIO e apresentar medidas de prevenção e tratamento que visem a melhoria dos cuidados prestados e consequentemente melhorem a qualidade de vida de quem cuidamos

Palavras – chave: Obstipação; opióides; eliminação intestinal; dor; cancro.

 

Verifique o abstract completo aqui.

 

Obtenha este artigo

Para obter este artigo terá que ser membro AEOP. Se já é membro AEOP efetue aqui o seu login. Se ainda não é membro AEOP registe-se aqui.
Em alternativa, pode adquirir este artigo pelo preço de 5EUR utilizando para isso o nosso formulário de contacto.