Autores:

Liliana Chaves; Clara Simães  ON 2018, 36; junho 2018; On-line publication: junho 2018

Resumo: A doença oncológica surge de forma inesperada na vida das pessoas, induzindo um profundo sofrimento que apela à construção de uma relação de ajuda, onde a comunicação não-verbal se afigura como pilar major.

Neste âmbito, a investigação ainda é incipiente pelo que neste estudo pretendeu-se analisar o impacto das competências de comunicação não-verbal dos enfermeiros na experiência subjetiva de sofrimento da pessoa com doença oncológica, e ainda, explorar o papel das competências de comunicação empática nessa relação.

Recorreu-se a uma amostra de conveniência simples, constituída por pessoas com doença oncológica (N = 84), internadas em hospitais do distrito de Braga. A média das idades é de 60.99 anos (DP = 14.08). O protocolo de avaliação englobou um questionário sociodemográfico e os seguintes instrumentos: Escala de Avaliação da Comunicação Não-Verbal dos Enfermeiros (McIntyre & Lage, 1996); Escala de Avaliação da Comunicação Empática (McIntyre & Lage, 1996); e Inventário de Experiências Subjetivas de Sofrimento na Doença (McIntyre & Gameiro, 1997).

Constatou-se um efeito independente da Comunicação Não-Verbal dos Enfermeiros nas Experiências Positivas de Sofrimento na Doença (F (1,82) = 4.02; p<.05; R2 = 3,5%). Verificou-se que níveis mais elevados de Comunicação Empática exibidos pelos Enfermeiros na dimensão Escuta/Interesse se constituíram preditores significativos de menor Sofrimento Global do doente (F (7,75) = 2.91; p =. 010; R2 = 14%; ß = -.289). A Comunicação Não-Verbal dos enfermeiros apresentou-se preditor significativo da Comunicação Empática percebida pelos doentes (F (6,58) = 18.21; p < .001) explicando 61.7% da variância.

A Comunicação Empática Escuta/Interesse exerceu um efeito de mediação na relação entre a comunicação não-verbal dos enfermeiros e o sofrimento do doente (Z = -2.03, p = .042; IC 95% [-.453; -.008]).

Estes resultados reforçam a relevância da comunicação dos enfermeiros e a necessidade de implementar programas promotores das competências de comunicação no contexto oncológico, valorizando a comunicação clínica como estratégia terapêutica na transição positiva de doentes oncológicos.

Palavras – chave: Cancro; Comunicação Não-Verbal; Empatia; Sofrimento.

 

Verifique o abstract completo aqui.

Link DOI

 

Obtenha este artigo

Para obter este artigo terá que ser membro AEOP. Se já é membro AEOP efetue aqui o seu login. Se ainda não é membro AEOP registe-se aqui.
Em alternativa, pode adquirir este artigo pelo preço de 5EUR utilizando para isso o nosso formulário de contacto.