Permeability of the implanted central catheter – A literature review

 

Autores:

Diana Ramada; Fábio Coelho;  Denise Guilherme e Paulo Marques  ON 2018, 37; Novembro 2018; On-line publication: Novembro 2018

Resumo: O cateter venoso central totalmente implantado (CVCTI) é um dispositivo de acesso venoso central que se tornou um recurso essencial, pois aumenta as opções disponíveis para a terapêutica endovenosa. O seu manuseamento não está isento de complicações e existem muitas controvérsias sobre a solução mais adequada para manter a sua permeabilidade.

Neste contexto, pretendeu-se determinar a efetividade da solução de heparina em comparação com o cloreto de sódio 0,9% na permeabilidade do CVCTI em adultos com doença oncológica.
Foi realizada uma revisão da literatura, recorrendo às bases de dados online Tripdatabase, ebscoHost (CInAHl Complete e MedlIne), PubMed, nursing Reference Center e Scientific Research, entre 26 de setembro e 20 de outubro de 2016, tendo sido selecionados quatro artigos para análise.

Os estudos sugerem que não há diferença de eficácia entre a solução de heparina e o cloreto de sódio 0,9%, na permeabilidade do CVCTI. Ainda existe pouca evidência nesta área, pelo que a realização de estudos e de ensaios clínicos randomizados é recomendada e necessária.

Palavras – chave: Heparina; Cloreto de sódio; Permeabilidade; Cateter totalmente implantado.

 

Verifique o abstract completo aqui.

Link DOI

 

Obtenha este artigo

Para obter este artigo terá que ser membro AEOP. Se já é membro AEOP efetue aqui o seu login. Se ainda não é membro AEOP registe-se aqui.
Em alternativa, pode adquirir este artigo pelo preço de 5EUR utilizando para isso o nosso formulário de contacto.

 

Referências
  • Baram, A., Majeed, G., Abdullah, H., & Subhi, A. (2014). Heparin versus Saline Solution for Locking of Totally Implantable Venous Access Port (TIVAP): Cohort Study of the First Kurdistan Series of TIVAP. Advances in Lung Cancer, 3, pp. 67-74.
  • Bertoglio, S., Solari, N., Meszaros, P., Vassallo, F., Bonvento, M., Pastorino, S., & Bruzzi, P. (2012). Heparinized Saline Solution for Locking Catheters of Totally Implantable Long-Term Central Vascular Access Devices in Adult Cancer Patients. Cancer nursing, 35(4).
  • Craig, J. V., & Smyth, R. L. (2004). Prática baseada na evidência: manual para enfermeiros. Loures: Lusociência.
  • Encarnação, R. M., & Marques, P. (2013). Permeabilidade do cateter venoso central: uma revisão sistemática da literatura. Revista de Enfermagem Referência, II Série (9), pp. 161-169.
  • Girda, E., Phaeton, R., Goldberg, G. L., & Kuo, D. (2013). Extending the interval for port-a-cath maintenance. Modern Chemotherapy, 2(2), pp. 15-18.
  • Goossens, G. A., Jérôme, M., Janssens, C., Peetermans, W. E., Fiuws, S., Moons, P., Stas, M. (2013). Comparing normal saline versus diluted heparin to lock non-valved Totally implantable venous access devices in cancer patients: a randomised, non-inferiority, open trial. Annals of Oncology, pp. 1-8.
  • Heering, H. (2016). Implanted Venous Access Port: Caring for the Patient with – an Overview. (D. Pravikoff, Ed.) Cinahl Information Systems.
  • JBI (2013). New JBI Levels of Evidence. Joanna Briggs Institute.
  • JBI (2016). Critical Appraisal Tools. Joanna Briggs Institute.
  • Martinez, J.M., Santo, A.E., Godinho, A., Azevedo, A., Felix, A., Chacim, S., Ramada, D., Mariz, J.M., Medeiros, R. (2018). Acute Leukemia Patients: A CLABSI Risk Special Population. Annals of Hematoogy &l Oncology, 5(2): 1192.
  • Martins, F. T., & Carvalho, E. C. (2008). Patients’ perceptions regarding the use of a long-term catheter. Rev Esc Enferm USP, 42(3), pp. 518-523.
  • Mitchell, M. D., Anderson, B. J., Williams, K., & Umscheid, C. A. (2009). Heparin flushing and other interventions to maintain patency of central venous catheters: a systematic review. Journal of advanced nursing, 65(10), 2007-2021.
  • Molin, A. D., Clerico, M., Baccini, M., Guerretta, L., Sartorello, B., & Rasero, L. (2015). Normal saline versus heparin solution to lock totally implanted venous access devices: Results from a multicenter randomized trial. European Journal of Oncology Nursing (19), pp. 638-643.
  • Molin, A. D., Rasero, L., Guerretta, L., Perfetti, E., & Clerico, M. (2011). The late complications of totally Implantable central venous access ports: The results from an Italian multicenter prospective observation study. European Journal of Oncology Nursing, 15, pp. 377-381.
  • Niederhuber, J., Ensminger, W., Gyves, J., Liepman, M.,Doan, K., & Cozzi, E. (1982). Totally implanted venous and arterial access system to replace external catheters in cancer treatment. Surgery, 92(4), pp. 706-712.
  • O’Grady, N.P., Alexander, M., Burns, L.A., Dellinger E.P., Garland, J., et al. (2011). Guidelines for the prevention of intravascular catheter related infections. Clinical Infection Disease. 52(9)
  • Rihn, T. (2001). Fibrinolytic therapy in central venous catheter occlusion. J Intraven Nurs, 24(3), pp. 9-12.
  • RNAO (2008). Care and Maintenance to Reduce Vascular Access Complications. (RNAO, Ed.) Toronto.
  • Santos, C. M., Pimenta, C. A., & Nobre, M. R. (maio junho de 2007). A estratégia PICO para a construção da pergunta de pesquisa e busca de evidências. Rev Latino-am Enfermagem, 15(3).
  • Schiffer, C. A., Mangu, P. B., Wade, J. C., Camp-Sorrell, D., Cope, D. G., El-Rayes, B. F., Levine, M. (2013). Central venous catheter care for the patient with cancer: American Society of Clinical Oncology Clinical Practice Guideline. Journal of Clinical Oncology, 31(10), pp. 1357-1370.
  • Vasques, C. I., Reis, P. E., & Carvalho, E. C. (2008). Manejo do cateter venoso central totalmente implantado em pacientes oncológicos: revisão integrativa. Acta Paul Enferm, 22(5), pp. 696-701.